É possível gerar arquivo pfx com o Certificado A3?

Descubra quais são as diferenças entre o Certificado A1 e Certificado A3 e qual é a melhor alternativa para gerar arquivos pfx com mais qualidade.


O Certificado digital A1 e o Certificado A3 são arquivos eletrônicos que servem como identidade virtual para pessoas jurídicas e físicas.

Dentro das empresas são utilizados na emissão de documentos fiscais eletrônicos como, por exemplo, a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica), NFC-e (Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica) e o CT-e (Conhecimento de Transporte Eletrônico). 

Também são arquivos necessários para a realização de escriturações fiscais como o eSocial (Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas) e a EFD-Reinf (Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais).

Embora já sejam conhecidos e utilizados no mercado, existem pessoas que ainda têm dúvidas se é possível (ou não) gerar arquivo pfx a partir desses Certificados. E isso porque não sabem exatamente como funciona cada uma dos modelos. 

Se você também fica confuso sobre como os Certificados funcionam e quer diminuir o tempo gasto lidando com documentos fiscais eletrônicos, veja, neste post, qual é a diferença entres as duas modalidades e as vantagens e desvantagens de cada categoria. 

Também, descubra se é possível gerar arquivo pfx com o Certificado A3 e qual é a melhor alternativa para emitir os documentos fiscais eletrônicos dentro das empresas com mais qualidade. Confira! 

Certificado A1 e Certificado A3: qual é a diferença?   

Certificado digital A1

O Certificado digital A1 é considerado um arquivo pfx ou p12. Ele não existe fisicamente e as informações contidas só podem ser acessadas caso instalado e armazenado em um ou mais computadores. 

Todo certificado A1 possui o prazo de validade e por conta disso a sua renovação deve ser feita anualmente. Entre as vantagens de utilizar o Certificado digital A1, destacamos:

  • Maior segurança: a empresa não corre risco de ter o seu certificado roubado, perdido ou danificado;
  • Fácil aplicabilidade: o certificado pode ser instalado em computadores e dispositivos móveis variados;
  • Garantia das informações: os profissionais podem realizar o backup dos dados, protegendo assim todos os documentos;
  • Mais flexibilidade: é possível instalar o certificado em servidores de terceiros caso a empresa utilize um software de emissão de documentos fiscais em cloud. Isto é, na nuvem.

Porém, vale lembrar que o Certificado A1 não é perfeito e que ele também apresenta algumas desvantagens. As principais consistem no seu prazo curto de validade (que dura apenas 1 ano) e valor investido já que acaba sendo mais elevado quando comparado ao Certificado A3 (com duração de até 3 anos).

Certificado A3

Diferente do Certificado digital A1, o Certificado A3 é emitido e armazenado dentro de um objeto físico. Ou seja, a sua utilização só pode ser realizada por meio de formatos de mídia como, por exemplo, o Token (um dispositivo eletrônico gerador de senhas, semelhante a um pendrive) ou Smartcard (cartão plástico com chip, reconhecido por meio de um hardware específico).

As vantagens de investir e utilizar o Certificado A3 estão correlacionados à segurança, uma vez que pode ser transferido ou copiado para outros equipamentos, e economia já que o prazo de validade pode chegar até 3 anos. 

No entanto, assim como no Certificado A1, o Certificado A3 também apresenta algumas desvantagens. Por exemplo, como precisa ser emitido e armazenado dentro de um objeto físico (Token ou Smartcard), o Certificado A3 possui uma probabilidade maior de ser perdido, roubado ou até mesmo danificado. 

Além do mais, o arquivo só pode ser utilizado em um computador ou dispositivo móvel por vez, requerendo também equipamentos específicos para a leitura de todas as informações (no caso de smartcards).


Você sabia que a TecnoSpeed possui um programa de parceria para emissão de Certificados Digitais? Veja mais informações aqui no blog.


Como gerar arquivo com Certificado A3?

Se você chegou até essa parte do texto você já deve ter percebido que gerar arquivo pfx com Certificado A3 é algo impossível, não é mesmo? E isso porque o arquivo pfx nada mais é do que o Certificado A1 em si. 

Os arquivos pfx são arquivos de sistema, que possuem funcionalidades de segurança encriptados embutidos. Ou seja, as informações não estão destinadas a serem vistas e nem mesmo acessadas por seus usuários.

Então, se a empresa quer gerar arquivo pfx por meio de um certificado, a melhor alternativa é migrar para o modelo A1 para assim garantir a qualidade e segurança das suas informações. 

Embora ambos os modelos apresentem desvantagens, o Certificado A1 continua sendo a melhor opção para gerar e transmitir esse tipo de arquivo.   

Soluções TecnoSpeed

Pessoas físicas e jurídicas precisam transmitir as informações corretamente para evitar qualquer tipo de problema com o fisco. Precisam certificar que os documentos estão sendo encaminhados conforme as regras e que não existe risco dos dados serem danificados ou perdidos. 

Assim sendo, cabe ao desenvolvedor de software oferecer a elas um sistema capaz de facilitar a emissão de todos esses documentos. 

Ao integrar ferramentas de business intelligence no seu software, que otimizam a emissão de arquivo pfx e que garantem maior seguridade das informações, todos os profissionais podem ficar mais tranquilos e preparados para gerenciar os negócios.

E embora desenvolver um sistema ERP que consiga atender a todas as exigências seja um desafio, os desenvolvedores já podem encontrar alternativas práticas para emitir os documentos de um jeito descomplicado. 

Não sabe como integrar ferramentas mais modernas ao seu software e nem como diminuir o tempo gasto das empresas que lidam com documentos fiscais eletrônicos? Então clique e conheça todas as nossas soluções. Veja como é possível tornar o seu sistema mais inovador e comece agora mesmo a facilitar o dia a dia dos seus clientes.   

Formado em Comunicação em Multimeios. Analista de Marketing da TecnoSpeed, focado em produção de conteúdos para mídias digitais.

Artigos relacionados