O que é Arquitetura Serverless?

Arquitetura Serverless, ou “computação sem servidores”, é uma arquitetura de computação orientada a eventos. Sua principal proposta é permitir que as empresas de software criem e mantenham seus aplicativos web sem se preocupar com a infraestrutura em que esses aplicativos estão rodando.

Trata-se de um conceito relativamente novo, que ganhou popularidade devido aos serviços como AWS Lambda, Microsoft Azure, Google Cloud, entre outros.

Neste artigo, analisaremos a Arquitetura Serverless em diversos aspectos: origem, definição, vantagens, e apresentaremos a palestra sobre Serverless do Fábio Rogério no TecnoUpdate 2018!

 

Antes da Arquitetura Serverless

Para compreender o conceito da Arquitetura Serverless, é necessário compreender como surgiu a demanda por ela. Para isso, vamos analisar os paradigmas que precederam a Arquitetura Serverless.

 

Infraestrutura In-house

No início das aplicações web, era comum utilizar um hardware contendo um sistema operacional e a aplicação. Alguns chamam essa abordagem de “infraestrutura in-house“. Em muitos casos, esse hardware era hospedado em um data center, e a software house pagava pelo espaço e infra que utilizava.

 

Computação Cloud Tradicional

Com o ganho de performance em virtualização de máquinas, começamos a trabalhar com a computação cloud. Na computação cloud tradicional, nossas aplicações ficam em máquinas virtuais onde era possível aumentar (upgrade) ou diminuir (downgrade) o poder de processamento.

Atualmente, a maiorias das aplicações online estão em máquinas virtuais.

 

Backend as a Service (BaaS)

Com a evolução das provedoras de cloud, surgiu a oferta de serviços de backend já construído e distribuído, conhecido como “BaaS”. Desta forma, a software house pode concentrar seus recursos em regras de negócio de implementação, abstraindo as necessidades de infraestrutura.

Serverless Esquema

Não tão serverless assim…

Antes de mergulharmos de cabeça no magnífico conceito da arquitetura Serverless, precisamos desmistificar seu nome tendencioso.

Serverless, traduzido literalmente do inglês, significa “sem servidor”. Isso não é verdade. A arquitetura Serverless ainda é baseada em servidores. Nela, porém, o desenvolvedor não precisa configurar ou se preocupar com a maioria dos aspectos da infraestrutura em que sua aplicação será rodada. Essas decisões dinâmicas de infraestrutura ficam ocultas para o desenvolvedor ou operador.

Com essa possível confusão já desfeita, vamos ao que interessa.

 

Arquitetura Serverless: Function as a Service (FaaS)

Utilizando uma plataforma Serverless, o time de desenvolvimento da software house não precisa gerenciar a infraestrutura de servidores, como provisionamento, capacidade de processamento, sistemas de armazenamento, atualização dos servidores, entre muitas outras configurações recorrentes: todas essas funções ficam a cargo do provedor cloud.

Com esse trabalho periférico mitigado, os desenvolvedores passam a ter mais mais tempo para se dedicar a suas funções primárias, entregando muito mais software em um mesmo período.

Apesar de ser a vantagem mais óbvia da arquitetura Serverless, o tempo ganho pelo dev é apenas um dos destaques da arquitetura Serverless.

 

Quais as vantagens da Arquitetura Serverless?

As principais vantagens da Arquitetura Serverless são o escalamento automático (auto scaling) e a redução de custo.

 

Auto scaling

A escalabilidade  é realizada de forma automática: quanto mais consumo você tem nas suas funções, mais disponibilidade ela terá. Deste modo, podemos dizer que a escalabilidade é quase infinita. No entanto, de acordo com seu provedor, podem existem limitações e bloqueios de segurança. Lembre-se: você paga cada vez que a função é executada.

 

Redução de custo

Cada vez que sua função é executada, você é cobrado apenas pelo processamento consumido. Sendo assim, você não paga por tempo ocioso, que é um problema que ocorre em máquinas virtuais.

 

Como começar a utilizar Serverless?

A forma mais prática de começar a desenvolver com serverless é utilizando um Framework específico para essa finalidade. Vamos falar sobre dois destes frameworks, cujas especificidades que merecem destaque:

 

Serverless Framework

Sim, o framework tem exatamente o mesmo nome da arquitetura. Não se confunda: são conceitos diferentes!

Serverless Framework

Sem mais delongas: o Serverless é um framework web e open-source, escrito em Node.js. Quando foi desenvolvido, o Serverless Framework era destinado exclusivamente para a criação de aplicações para o AWS Lambda, a plataforma da Amazon Web Services de serverless cloud computing. Posteriormente, foi compatibilizado com outros fornecedores de cloud, como a Microsoft Azure, IBM BlueMix, Google Cloud, Oracle Cloud, entre outros.

Utilizando o Serverless Framework, seu código deve respeitar a interface da fornecedora cloud que você optou por utilizar. Sendo assim, é 

muito mais difícil adaptar um software criado para rodar em cloud tradicional utilizando o Serverless Framework em relação ao próximo framework que será apresentado. 

No entanto, o Serverless Framework é muito vantajoso. Com ele, o desenvolvedor tem acesso a todos os recursos da arquitetura serverless – e são muitos! – para o seu software, que afetam desde a performance até a experiência do usuário.

No geral, se você tem a opção de construir seu software com o Serverless Framework, faça-o!

 

Up

O Up também é um framework open-source para rodar aplicações em arquitetura serverless. No entanto, sua proposta é quase contrária à do Serverless Framework: o Up é “direto e reto”: não oferece as funcionalidades fantásticas propostas pelo concorrente, mas seu grande atrativo é, em muitos casos, suficiente para atrair os desenvolvedores.

Utilizando Up, não é necessário realizar nenhuma alteração no código de sua aplicação já existente. Ao utilizar o comando ‘Up’ que dá nome ao framework, seu software será adaptado para rodar com a arquitetura serverless, e em seguida já estará em produção.

Assim, se você desenvolveu seu software para rodar em arquitetura tradicional, migrá-lo para serverless com Up é muito mais fácil! Por outro lado, o seu software será adaptado, e portanto, não poderá utilizar as funcionalidades especiais dos provedores serverless.

 

Aprenda mais sobre Arquitetura Serverless no TecnoUpdate 2018!

No TecnoUpdate 2018, Fábio Rogério do PlugMobile apresentará uma palestra completa sobre a Arquitetura Serverless:

  • O que exatamente é Arquitetura Serverless?
  • Como está sendo a experiência da TecnoSpeed e do PlugMobile com Serverless?
  • Como começar a utilizar Serverless em sua empresa?
  • Quais são os frameworks para desenvolvimento em Serverless?
  • e muito mais!

 


Fabio Rogério do PlugMobileFábio Rogério da Silva José​, conhecido como Fábio Rogério SJ nas redes sociais, é desenvolvedor de aplicações web e mobile desde quando o Internet Explorer 7 erá um pesadelo e desenvolver aplicativos híbridos com tecnologias web era um trabalho árduo, ou seja, desde 2007.

Atualmente Fábio Rogério trabalha como desenvolvedor, engenheiro e arquiteto de soluções Web e Mobile na TecnoSpeed e presta serviço de consultoria e treinamento em desenvolvimento de aplicações web e mobile utilizando tecnologias híbridas. 
Fábio também é professor, de curso superior, onde ministra as disciplinas de desenvolvimento frontend, desenvolvimento de aplicativos móveis, web design, design de interação e lógica de programação.

Fábio Rogério, entre suas aventuras pelo desenvolvimento de software com foco na usabilidade e agregação de valor para seus clientes, também criou alguns projetos open source dentre eles o MobileUI, um framework para criação de aplicativos móveis híbridos multi-plataforma com foco na UX/UI Design.

Redator do Grupo TecnoSpeed. Escreve artigos e materiais publicitários para a TecnoSpeed DF-e, PlugBank, PlugMobile, TecnoSpeed Certificados Digitais e WiFire.

Artigos relacionados