Por que usar o Versionamento Semântico no aplicativo?

Descubra o que é Versionamento Semântico, porque ele é importante e como os desenvolvedores de software podem manter os aplicativos atualizados de um jeito fácil.


O desenvolvimento do aplicativo é mais do que apenas produzir e entregar o produto pronto para o cliente. Existe todo um procedimento que envolve, inclusive, a versão de apps. Algo que pode ir desde atualizações, correções de bugs até mesmo o acréscimo de novas funcionalidades. 

Por se tratar de um processo complexo e necessário é que existe uma ação conhecida como versionamento de apps. Isto é, um esquema de número de versões para esclarecer aos desenvolvedores todas as atualizações pelas quais o aplicativo já passou. 

Não sabe o que é o Versionamento Semântico e nem por que é tão importante utilizá-lo em seu aplicativo? Então continue lendo esse post!

Versionamento Semântico: o que é?

No mobile não existe comodismo, certo? Tratando-se de dispositivos móveis, os desenvolvedores precisam estar sempre buscando novas formas de melhorar o desempenho dos seus softwares, isso para não acabarem sendo trocados e até mesmo esquecidos por seus usuários. 

Para ajudar esses profissionais a não se perderem nesse emaranhado de atualizações, existe o que chamamos de versionamento de apps. Ou seja, o Versionamento Semântico.  

O Versionamento Semântico nada mais é do que um conjunto de regras e particularidades que mostram como os números das versões do aplicativo foram desenvolvidos. Em outras palavras, a quantidade de mudanças pelas quais o app passou e quais alterações foram compatíveis ou incompatíveis com a versão anterior.

Por que é importante usar o Versionamento Semântico no aplicativo? 

Embora o termo Versionamento Semântico ainda seja recente para boa parte dos desenvolvedores, a verdade é que a ideia de enumerar as mudanças pelas quais o software passou e quais foram todas as suas alterações não é assim tão nova. 

O desafio por trás de manter o sistema atualizado para os usuários é assegurar especificações claras sobre o aplicativo, do contrário os números são praticamente inúteis para o gerenciamento correto do software.

Fica fácil mostrar as alterações quando as mudanças são simples e objetivas. Mas o que acontece quando o app cresce rápido e mais pacotes e funcionalidades são adicionados com frequência? O desenvolvedor pode simplesmente se ver perdido no meio de tantas especificações, concorda? 

E é por conta disso que utilizar o Versionamento Semântico nos aplicativos pode fazer a diferença.

Como o Versionamento Semântico funciona? 

Considere que a sua empresa possui um aplicativo mobile chamado “TranslateFast”. O sistema requer uma atualização constante dos dados para manter o dicionário do app em dia sobre todas as gírias, termos e palavras utilizadas no mundo todo. 

Quando o “TranslateFast” foi criado, ele estava na sua versão 1.0. Porém, conforme foram sendo acrescentadas novas funcionalidades no sistema (por exemplo, tradução de idiomas em tempo real), ele foi evoluindo para as versões 1.1, 1.2, 1.3 e assim por diante. 

Como desenvolvedor de software você pode especificar as atualizações pelas quais seu sistema passou (nesse caso da versão 1.0 até a 2.0) e assim acompanhar se as mudanças estão sendo compatíveis com todo o software. 

Também, quando o “TranslateFast” exigir funcionalidades mais robustas e passar para uma versão mais detalhista (1.1.1 e 1.1.2, por exemplo), você poderá lançar essas mudanças no seu gerenciamento de pacotes para saber se cada uma das mudanças será compatível (ou não) com as versões anteriores. 

E o que isso tudo significa? Que o Versionamento Semântico é uma forma mais prática de manter o aplicativo atualizado sem ter de mexer nas versões de pacotes dependentes. 

Então, sob esse esquema e regras, a empresa encarregada pelo desenvolvimento do aplicativo poderá salvar tempo e energia, além de impedir possíveis aborrecimentos.

Especificações do Versionamento Semântico 

Agora que você já sabe o que é e como funciona o versionamento de apps, que tal conferir as principais especificações do Versionamento Semântico? São elas:

  1. O aplicativo que usar o versionamento deve ter instruções e padrões de programação de fácil compreensão.
  2. A versão normal do app precisa estar no formato inteiro e os números não podem ser negativos. Também não pode haver zeros à esquerda e os valores sempre devem aumentar numericamente. Por exemplo: 1.1 -> 1.2 -> 1.3
  3. Uma vez que um pacote for lançado, o conteúdo do aplicativo não deve ser alterado. Se existir a necessidade de qualquer modificação, o software precisa ser lançado com uma nova versão.
  4. A versão de correção deve ser incrementada apenas se mantiver a compatibilidade ao introduzir correção de bugs.
  5. Uma versão de pré-lançamento pode ser indicada com uma série de identificadores separados por ponto. Ela indicará que a versão do app é instável e que poderá não satisfazer a todos os requisitos de compatibilidade pretendidos. Exemplos: 1.0.1, 1.0.1.1, 1.0.1.2.

O desenvolvimento de softwares é, na maioria dos casos, um desafio. Exige atenção constante e uma série de procedimentos minuciosos para manter o aplicativo funcionando corretamente.

Para que o desenvolvedor consiga oferecer um software de qualidade, que atende às expectativas do mercado, é necessário inovar e integrar ferramentas de business intelligence para deixar o sistema cada vez mais moderno. E detalhe, precisa garantir que todas as mudanças serão feitas o mais rápido possível. 

Se você ainda não conhece um jeito rápido de manter o seu software atualizado, clique e conheça agora mesmo o PlugMobile. Veja como é possível programar o seu aplicativo e passe a melhorar ainda mais a experiência dos seus clientes.   

Veja como funciona o PlugBot.

Formada em Publicidade e Propaganda. Cria conteúdos para o PlugMobile, a solução mobile da TecnoSpeed.