Planos de contas em 8 caixas: melhores técnicas para gestão financeira de sua empresa

O que são planos de contas? Entenda como colocar essa gestão em prática por meio de 8 caixas.


A gestão empresarial é fundamental para que um negócio esteja em dia em todos os âmbitos, sejam operacionais, comerciais, entre outros. Os planos de contas e as classificações dos mesmos entram nesse parâmetro, principalmente quando se trata da visualização de gastos e despesas desse empreendimento.

Por isso, neste artigo classificamos as receitas e despesas em 8 caixas, a fim de realizar o lançamento financeiro completo de uma empresa e destacar os melhores indicadores estratégicos. É possível acompanhar este conteúdo também pela explicação em vídeo de Erike Almeida, CEO da TecnoSpeed.

Ficou interessado no assunto? Continue aqui e acompanhe! Boa leitura.

O que são os planos de contas?

Afinal, o que são os planos de contas e por que eles estão separados em 8 caixas? Em primeiro lugar, as empresas precisam de lançamentos financeiros principalmente na hora de fechar as contas do mês. Isto também serve para realizar os indicadores estratégicos de maneira fácil e eficaz, sem muitas complicações para o negócio.

Quando os gastos e despesas são separados em aplicações, o empresário consegue ver mais claramente esses custos e quais os lugares que precisam de mais investimentos, menos aplicações, entre outros.

Para isso, então, a TecnoSpeed utiliza 8 caixas, que servem como classificações de gastos da empresa – e que são aplicadas também, por exemplo, durante a emissão de uma nota fiscal. Esse modelo pode servir para outras softwares houses, que precisam de uma gestão empresarial bem definida.

Aprenda sobre o trabalho home office, participe do programa Software House de Sucesso

Quais são as 8 caixas?

Os planos de contas separados em 8 caixas formam uma série de gastos e despesas que giram dentro de uma empresa e que são fundamentais para o funcionamento da mesma.

É extremamente importante seguir essa delimitação, pois ela é dividida de maneira que não pese para um setor e deixe outro com pouco trabalho. Ou seja, há uma equidade nessas caixas, que tornam os lançamentos estratégicos muito mais justos e bem definidos.

  1.   ARO

Em primeira instância temos o ARO. Este remete ao abatimento da receita operacional e envolve tudo que não se pode evitar na hora de emitir uma nota fiscal. Os impostos gerados sobre o faturamento são calculados em cima desse documento, além de serem os primeiros itens de desconto da receita. Deve-se descontar o ARO para que haja o cálculo da receita líquida.

É importante destacar que os impostos calculados sobre esse faturamento também admitem as vendas “frustradas”, ou seja, aquelas que não se concretizaram e que não há como cancelar a nota ou modificá-la.

  1.   CAC

Logo após temos o CAC, custo de aquisição de clientes. Nos planos de contas é fundamental que haja calculado os gastos para aumentar a carteira de clientes, sejam estes com propagandas, eventos ou demais técnicas de marketing. Tudo que vier com o intuito de vender entra nessa classificação!

As empresas que possuem equipes mistas precisam realizar o rateio dessa classificação. Porém, como este cálculo é complexo e pode gerar muita dor de cabeça ao empresário, indicamos que existe um grupo separado para cada setor.

  1.   COC

Já o COC, custo operacional do cliente, entra nos planos de contas como tudo que você gasta dentro da empresa para entregar o produto ao cliente, como suporte especializado, equipe de call center, entre outros.

Imagine que a sua software house faça um plano de assinaturas ou dê infraestrutura em nuvem: para que o consumidor continue ativo ou em relacionamento com a empresa é necessário um gasto operacional, a fim de mantê-lo sempre atualizado com o negócio.

  1.   ADM

A sigla ADM remete ao administrativo desta empresa. Todos os gastos que não entram como de aquisição ou operacional fazem parte deste setor, sendo muito importante pontuá-los – mesmo que entrem apenas como custos indiretos dos empresários.

Os custos com aluguel, luz, eventos para os colaboradores e até mesmo despesas com seguros, logística e entregas entram nessa classificação. Ou seja, os planos de contas também precisam se atentar aos gastos administrativos.

  1.   NPI

Para que a software house esteja sempre em dia com o mercado é muito importante investir na NPI, ou seja, em inovação. Tudo que você gasta para criar um novo produto para o mercado se transforma em uma nova fonte de receita, sendo fundamental entrar nos planos de contas.

Essa atualização do portfólio é essencial também para aumentar a carteira de clientes e variar o público que adquire os produtos da empresa.

  1.   TRIB

A tributação, sexto item da nossa caixa, é um dos itens mais importantes dentro dos planos de contas. Aqui é feito o imposto de renda e a contribuição social sobre o lucro dessa empresa.

Quando se trata de um empreendimento de lucro real é possível apurar o lucro e pagar sobre o imposto real dessa empresa. Já o lucro presumido é proporcional ao faturamento estabelecido. Cada negócio possui a sua delimitação, sendo necessário consultar antes de realizar as contas.

  1.   CAP

Quase finalizando as caixas dos planos de contas temos o CAP, custo de capital. Os gatos que você teve para suprir a sua empresa também entram nessa gestão financeira, principalmente se o dinheiro for captado por terceiros.

Mas, por que isso? Simples! Quando há a tomada de empréstimos, créditos e demais serviços, a software house adquire também taxa de captação, IOF, juros a ser pago, parcelas mensais. Tudo isso entra no custo de capital e é essencial para os cálculos de um negócio.

  1.   SOC

Por último e para encerrar as 8 caixas que classificam os planos de contas temos o SOC, ou seja, a sociedade dessa empresa. Você precisa prioritariamente de um setor que sirva para pagar os sócios e realizar a distribuição de lucros desse empreendimento.

A movimentação societária faz parte desses cálculos principalmente entre negócios que vendem ações e que possuem muitos sócios. Tudo isso entra como lançamentos financeiros e precisa de um cuidado especial no instante de visualizar gastos.

Conclusão

Mesmo que pareça complexo, os planos de contas divididos em 8 caixas tornam o lançamento financeiro de uma empresa muito mais fácil de visualização e até mesmo de gerenciamento. Quanto mais o empresário investe nessas formas de organização, melhor ele lida com mercado e seus concorrentes.

Para você que possui uma software house ou que curtiu o assunto, continue em nosso blog e acesse outros conteúdos! Aqui na TecnoSpeed você aprende tudo sobre gestão empresarial, tecnologia e muitos mais. 

Summary
O que são os planos de contas?
Article Name
O que são os planos de contas?
Description
Afinal, o que são os planos de contas e por que eles estão separados em 8 caixas? Em primeiro lugar, as empresas precisam de lançamentos financeiros principalmente na hora de fechar as contas do mês. Isto também serve para realizar os indicadores estratégicos de maneira fácil e eficaz, sem muitas complicações para o negócio. Quando os gastos e despesas são separados em aplicações, o empresário consegue ver mais claramente esses custos e quais os lugares que precisam de mais investimentos, menos aplicações, entre outros.
Formado em Comunicação em Multimeios. Analista de Marketing da TecnoSpeed, focado em produção de conteúdos para mídias digitais.

Artigos relacionados