Arquivo de remessa: reduza o tempo de processamento dos boletos do seu cliente

Saiba quais são os maiores problemas que o seu cliente pode enfrentar ao tentar enviar um arquivo de remessa manualmente.


Manter a saúde financeira da empresa do seu cliente pode ser um desafio. E é por isso que precisamos ir além de possibilitar que ele faça cobranças de forma descomplicada. Assim, é cada vez mais necessário que ele entenda não apenas sobre como funcionam as transações bancárias, mas também compreenda o quanto suas informações estão seguras e atualizadas com a solução que oferecemos.

Os arquivos de remessa são usados diariamente por segmentos de todos os tipos, mas fazer esse processo manualmente pode ser complicado. Isso porque sua conferência leva muito tempo, o que pode prejudicar a produtividade do negócio do seu cliente. Automatizar o registro de remessas pode ser uma saída, mas será que o seu software está preparado para gerar esse tipo de arquivo com mais facilidade?

O que é um arquivo de remessa?

O arquivo de remessa é uma espécie de arquivo de texto com as informações do boleto bancário. Ele é gerado pelo cliente e enviado ao banco, contendo todos os dados necessários para que a instituição bancária faça seu registro (como valor, vencimento, CNPJ do pagador, juros, entre outras informações) e para que o cedente receba pelo produto ou serviço prestado.

Em síntese, toda a comunicação entre o cliente e o banco é feita por esse arquivo de remessa, existindo arquivos específicos para registro, outro para alteração de vencimento, um outro para baixa e assim por diante. Hoje, qualquer boleto registrado precisa desse arquivo de remessa, que resultará em um arquivo de retorno – enviado pelo banco, como resultado do processamento.

Ele tem algum layout específico?

Para facilitar a cobrança com boletos bancários, a FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos) determinou dois tipos de arquivos de remessa, também conhecidos como CNAB.

  • CNAB 400: que armazena uma quantidade menor de informações, ou seja, suportando até 400 posições para cada registro.
  • CNAB 240: capaz de suportar 4 segmentos de 240 posições, ou seja, de armazenar uma quantidade maior de informações.

Ambos têm um formato padrão para as funções de envio e recebimento das informações e se encarregam de manter o diálogo entre o sistema do banco e o sistema financeiro da empresa, otimizando as operações de cobrança.

Como funciona o fluxo da remessa?

  1. O cliente gera o arquivo de remessa no layout esperado pelo banco;
  2. Envia esse arquivo via internet banking;
  3. O banco recebe esse arquivo de remessa, processa e, apenas no dia seguinte, gera um outro arquivo, chamado arquivo de retorno;
  4. O cliente acessa o internet banking novamente e baixa esse arquivo de retorno;
  5. E importa esse arquivo no sistema que utiliza, para finalmente saber o resultado do processamento do banco – referente aos boletos enviados na remessa do dia anterior.

Um tanto quanto demorado, não?

Problemas que seu cliente pode enfrentar

Os arquivos de remessa garantem que os boletos sejam registrados antes do pagamento. Assim, se o boleto bancário não passar por esse processo, certamente será rejeitado. Esse é, sem dúvidas, um dos maiores problemas para o seu cliente.

Isso porque, imagine que o responsável por mandar essa remessa ao banco, em algum momento, se esqueça de enviar algum arquivo e os boletos fiquem sem registro? Quantos atrasos seu cliente teria na hora de receber!

Além disso, um outro problema é a segurança. Uma vez que o responsável por enviar essa remessa precisará do acesso à conta da empresa, ou seja, ter em mãos informações como senha, plugar o token, entre outros. Não dá para confiar em qualquer pessoa, certo?

Como o PlugBoleto pode resolver isso?

Eliminar processos manuais na geração do arquivo de remessa não é mais um objetivo, mas uma necessidade para facilitar o processo de cobrança do seu cliente. Com a transmissão automática do PlugBoleto, ele não precisará mais acessar o portal de cada um dos bancos para transmitir remessas e coletar retornos, e com o registro via web service bancário a segurança das suas informações estará garantida.

Saiba mais sobre esses recursos do PlugBoleto:

Veja como diminuir o tempo de espera para que o banco processe o arquivo de remessa do seu cliente.

Formada em Comunicação e Multimeios e pós-graduanda em Marketing, Criatividade e Inovação. Redatora do Grupo TecnoSpeed. Escreve artigos e conteúdos para a TecnoSpeed Fintech e para o PlugMobile.

Artigos relacionados